Amazônia no peito!

Dia 5 de setembro é comemorado o Dia da Amazônia. Para celebrar a data, que tal vestir essa causa? A coleção de camisetas “Sonhos Amazônicos” acaba de ser lançada pela empresa paranaense MOKO, em prol do Instituto Mamirauá, que fica na Amazônia.

São quatro estampas motivadas pela vida de jovens que estudam no Centro Vocacional Tecnológico (CVT).

“Nosso objetivo é conectar a moda com projetos sociais. Entre tantas causas que já ajudamos, agora fomos procurados para criar uma coleção que tem como conceito o manejo sustentável dos recursos da Amazônia”, disse Fernando Kuwahara, fundador da MOKO – marca social de moda que conecta pessoas a projetos sociais, com camisetas que estampam e beneficiam causas.

“A coleção é inspirada nas histórias e também nesses jovens, em suas origens e nas ações que realizam pelo futuro dessa região tão diversa e importante para o Brasil e para o mundo”, complementa.

O design das camisetas foi elaborado mesclando três elementos visuais: plantas, grafismos indígenas e o rosto de jovens.  As plantas representam as pessoas que têm a oportunidade de florescer com o apoio do instituto. São elas: vitória-régia, bromélia, aninga-açu e heliconia. Os grafismos, representando a cultura e o povo. E o terceiro elemento é o rosto de três jovens que estudaram no CVT.

“Nosso conceito final se dá com a junção dos elementos metafóricos (a alusão da flor com a vida do jovem) e os elementos literais (as pinturas e as pessoas que moram na região) e assim formam a ideia a ser transmitida: o poder e a beleza por trás do florescer de cada jovem que tem a oportunidade de se desenvolver e atuar na preservação da Amazônia com a ajuda do Instituto Mamirauá”, explica Kuwahara.

As camisetas foram confeccionadas com algodão 100% certificado. As estampas foram produzidas através da técnica de estampa digital que é mais limpa por gerar menos resíduos do que a serigrafia tradicional. A tag é feita em papel reciclado e a camiseta é armazenada em um tubo que pode ser reutilizável para guardar lápis, canetas e objetos em geral. Cada camiseta tem o custo de R$ 69,00, com todo o lucro revertido para a Mamirauá. Vendas pelo site: https://www.moko.com.br ou na loja física do Shopping Estação, em Curitiba (PR).

Instituto Mamirauá – Os jovens ingressam no CVT indicados por suas organizações de base, podendo ser cooperativas, associações ou colônias. “Eles têm a responsabilidade de aprender e até desenvolver ferramentas e processos que ajudam na resolução de um problema vivido pelo grupo, esse é o sentindo da tecnologia social”, explica Dávila Corrêa, diretora de Manejo e Desenvolvimento do Instituto Mamirauá.

O curso dura dois anos. No primeiro ano, os jovens ficam em contato com pesquisadores e extensionistas, trabalhando oficinas que vão desde contabilidade, empreendedorismo, relações humanas, políticas públicas, tecnologias sociais, visando resolver problemas de acesso à água e à energia. No segundo ano, eles voltam para suas comunidades, para suas áreas rurais, com a responsabilidade e com a colaboração das associações de aplicarem um plano de ação. 

Entre os quatro jovens que compõe a campanha, está a agricultora Isabel de Melo Carvalho, moradora da comunidade Santa Luzia do Boia, na Reserva Extrativista Auatí-Paraná (Resex).

Aos 25 anos, ela é mãe de uma menina de menos de um ano e estudou no CVT de 2014 a 2015, cuja experiência a levou para a presidência da associação da reserva. “Um líder não se forma, ele já nasce líder. Muitas das vezes, só falta uma oportunidade e uma palavra de incentivo”.