Médicos Sem Fronteiras precisa de ajuda

Segue o relatório da organização Médicos Sem Fronteiras que recebi há pouco. Sou doadora há muitos anos e quem sabe você também poderá se tornar um/uma.

Desde a última sexta-feira, nossas equipes resgataram 251 pessoas que estavam à deriva no Mediterrâneo. Entre elas, 74 crianças, a menor com apenas um ano de idade. Depois de meses impedidos de salvar vidas no mar, essa foi a primeira ação de Médicos Sem Fronteiras (MSF) com o navio Ocean Viking, que retomou as operações de busca e resgate no dia 2 de agosto.

Sam Turner, coordenador de MSF, resumiu todos os motivos que nos fizeram voltar: “Não vamos ficar sentados e esperar as pessoas se afogarem no mar”.

Entre os dias 24 e 29 de julho, mais de 900 pessoas tentaram cruzar o Mediterrâneo, fugindo de condições desumanas nas prisões da Líbia. Depois de um terrível naufrágio, nossas equipes em terra atenderam um total de 135 sobreviventes. Mais de 100 continuam desaparecidas, pelo menos 500 voltaram à detenção no país de onde tentavam desesperadamente sair e 115 ficaram detidas em um navio da guarda costeira italiana, esperando por um lugar seguro para desembarcar.

São crianças e mulheres, homens e idosos que buscam fugir de em um ciclo de abuso, expostas a diferentes formas de violência, sem acesso sequer a cuidados básicos de saúde. Para encontrar um lugar seguro, elas se lançam ao mar em embarcações superlotadas, muitas vezes improvisadas, sem nenhuma garantia de voltarem a pisar em terra firme. Desde 2015, resgatamos mais de 79.000 pessoas no mar Mediterrâneo.

Toda vida merece ser salva e tudo o que conseguimos fazer só é possível porque contamos com a ajuda de cada um de nossos doadores.

É graças ao apoio constante de pessoas solidárias como você que conseguimos salvar vidas à deriva no mar e levar cuidados de saúde a quem mais precisa, em mais de 70 países.

Obrigada por nos acompanhar até aqui. “