Artefacto recebe mobiliário Beach & Country

A Artefacto Curitiba recebeu o novo mobiliário Artefacto Beach & Country, com uma  coleção de móveis feitos sob medida (indoor/outdoor) assinados pela marca e alguns sob curadoria de Nelson Amorim + Roberto Cimino.

Com características modernistas e releitura do momento atual, o mobiliário é uma representação de todo o desenvolvimento das novas tecnologias e a expertise que a marca oferece.

“Fomos alimentados pela corrente Modernista, desde o que foi feito na Califórnia dos anos 1950 (Richard Neutra) até os expoentes do mesmo período no Brasil. São, portanto, produtos com características modernas numa releitura atualizada e acrescida de novas tecnologias e recursos altamente funcionais”, explicam Amorim e Cimino.

Para eles, forma + função pertencem ao mesmo raciocínio.São móveis que convidam ao conforto e ao descanso, à contemplação do mundo natural – sem deixar a elegância estética de lado. Conheça alguns destaques do mobiliário:

  • Mesa de jantar Pantar 3.00×1.20×0,73 Feita em fibra de vidro, recebe acabamento em microtextura com diversas possibilidades de cores.

  • Cômoda Kelor 1.30×0,50×0,80 altura Base em aço inox. O corpo é feito em  microtextura e as gavetas recebem revestimento de couro soleta.

  • Poltrona Lakor 1.05×1.01×0.87 Estofada até o pé e diversas opções de tecidos.

  • Mesas centro Mapat 1,12×0,48×33 altura Tem base em aço carbono e corpo pintado em microtextura. A parte interna é revestida em couro soleta.

  • Mesa de centro componível Biak (1.20×0,95×0,29 altura / 1.25×0,86×0,24 altura / diâmetro 0,85 altura 0,34) Base em aço carbono e tampo em mármore mineral black rustic.

Balanços  – Um dos grandes destaques da coleção Artefacto Beach & Country são os balanços assinados pelo designer mato-grossense Sérgio Matos. As peças destacam-se pela qualidade estética e funcional, oferecendo uma amostra valiosa da ampla diversidade da produção contemporânea brasileira de design. São eles:

  • Apuí: O nome Apuí provém de uma árvore típica da região amazônica, que na língua tupi significa braço forte. Inspirada nas longas raízes e galhos desta árvore, a peça traz uma forma circular elegante que transmite a sensação de segurança e conforto.

  • Angatu: Palavra indígena do tupi e que significa alma boa, bem-estar, felicidade. O balanço possui formas orgânicas e entrelaçadas passando a impressão de fluidez e leveza, ao mesmo tempo destaca rigidez e conforto. Desperta a curiosidade pelas dobras de seus elementos mostrando que se trata de uma peça de identidade de única.

  • Maloca: O nome refere-se um tipo de cabana comunitária utilizada por alguns indígenas da região Amazônica, notadamente na Colômbia e Brasil. Cada tribo possui sua própria espécie de maloca, com características únicas que ajudam a distinguir um povo do outro. O balanço possui curvas suaves e orgânicas que se traduzem em um lugar de aconchego e lazer.