Prorrogada temporada de Memórias Póstumas 

A adaptação de uma das maiores obras literárias brasileiras é, na verdade, uma apropriação.

Memórias Póstumas de Brás Cubas é considerado uma espécie de revolução na maneira de contar uma história e Machado de Assis, seu criador, um revolucionário da escrita e das palavras.

A obra conta a história de Brás Cubas que, morto, começa a relatar as próprias memórias. No palco pelo Grupo Delírio, a liberalidade poética de Machado, munido da sua conhecida sutileza, ironia fina e humor negro. Neste ano o livro é cobrado no vestibular da Universidade de São Paulo – USP.

O espetáculo fala da criatura humana, as imperfeições, sonhos de ilusão e desejos. Tudo pela boca de um morto, ou seja, alguém que não pode mais ser reprimido ou condenado por dizer o que pensa.

Se o conteúdo de “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, publicado em 1881, já é inovador e provocativo, em sua forma é mais ainda. Machado de Assis conversa abertamente com o leitor, rompendo com diversos conceitos da escrita linear ou formal. Ora erudito, ora popular, ora didático, ora poético ao extremo, ele desliza sua literatura em pouco mais de 300 páginas de puro prazer e genialidade.

Memórias Póstumas + Machado de Assis

Apropriação/adaptação do romance “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, de Machado de Assis

Até 24 de junho de 2018 // sextas e sábados – 20 horas // Domingos – 19 horas

Estúdio Delírio

Rua Saldanha da Gama, 69. Alto da XV (Curitiba-PR)

Ingresso: R$ 40,00 e R$20,00