Catedral é tema de exposição

O Memorial de Curitiba abre nesta terça-feira (5), às 18h, a exposição “A Catedral e a Praça, um passeio pela história e arquitetura de Curitiba”.

A mostra, instalada no Salão Paraná, apresenta 130 imagens e 11 maquetes de imóveis do entorno da Praça Tiradentes confeccionadas pelos alunos da Universidade Tecnológica Federal do Paraná). A exposição tem classificação livre e a entrada é franca.

“É uma exposição importante porque o tema principal é a própria catedral, um ícone arquitetônico e religioso da cidade que levou 17 anos para ser construída, até sua inauguração em 1893”, disse Aparecida Bahls, coordenadora do projeto e pesquisadora da Casa da Memória, unidade da Fundação Cultural de Curitiba.

Na mostra são abordados o período de construção do templo, suas reformas e restauros posteriores, além dos usos pela população desse relevante espaço da cidade. De acordo com a pesquisadora a construção envolveu trabalhadores desde negros libertos e cativos, imigrantes e diversos mestres de obras.

A exposição também conta com a colaboração da arquiteta e professora da Universidade Tecnológica do Paraná, Giceli Portela, que coordenou o restauro da Catedral de 2010 a 2012, e de seus alunos do curso de Arquitetura e Urbanismo que, com base em estudos dos imóveis do entorno da Tiradentes, elaboraram maquetes sobre eles, ricas em detalhes e informações.

Quem visitar a mostra pode aproveitar para ver também, no primeiro andar do Memorial, a exposição permanente dos altares rétabulos da antiga Matriz, talhados em madeira policromada do século 18, nos quais o Papa João Paulo II celebrou missa quando esteve em Curitiba, além de duas volutas e dois sacrários. Esse espaço, denominado Capela dos Fundadores, exibe também pinturas do artista plástico Sergio Ferro, onde se percebem imagens expressivas da história curitibana, desde a presença de portugueses, índios, mamelucos, tropeiros e imigrantes europeus.

A Catedral
Prestes a completar 125 anos, a Catedral é uma obra emblemática para Curitiba. Lugar de devoção e fé sob a égide de Nossa Senhora da Luz dos Pinhais, sua arquitetura monumental de linhas neogóticas se destaca na Praça Tiradentes. Construída na segunda metade do século 19 para ser a nova Matriz, ela contribuiu para difundir um sentimento de modernidade entre os habitantes da capital, sinônimo dos ideais progressistas em voga em importantes cidades brasileiras da época.

Inaugurado em 7 de setembro de 1893, o local passou a congregar a população durante as cerimônias religiosas. Já como Catedral, nela ocorreu a posse do primeiro bispo da Diocese de Curitiba, Dom José de Camargo Barros. Quando da criação da Arquidiocese em 1926, recebeu o título de Catedral Metropolitana de Curitiba. Construído em anexo para morada dos religiosos, o presbitério foi inaugurado em 1948.

Marco do patrimônio arquitetônico, religioso e cultural da cidade, a Catedral, em 1993, ano de seu centenário, foi elevada a Catedral Basílica Menor de Nossa Senhora da Luz dos Pinhais de Curitiba. Atualmente, é considerada Unidade de Interesse Especial de Preservação do Município.