Para acompanhar os filhos no exterior

O público 50+ tem procurado o estudo do inglês, seja para viagens, para visitar netos que não falam o português, para acompanhar filmes e notícias, etc.

Mas para esse público existem também outras razões. “Socialização, exercício de memória, atividades culturais são motivos que levam as pessoas a procurarem a nossa escola”, diz Simone Carnio, professora e dona da Forever Young, escola especializada em atender os que estão há algum tempo fora dos bancos escolares.

A escola, localizada no bairro Mercês, além do ensino da língua, oferece como complemento uma série de atividades, quase todas guiadas em inglês, como aulas de culinária, aulas de música, aulas de dramatização em que uma cena de um filme é imitada pelos alunos, clube do livro, onde ouve-se um clássico da literatura em inglês através de audiobook. Além disso, viagens ao exterior e atividades fora da sala de aula estão entre os atrativos.

“As aulas são ministradas sempre com o enfoque comunicativo, tendo os livros como apoio para os alunos estudarem em casa e praticar o máximo de tempo possível com os colegas em sala”, diz Marcos Coelho, professor das turmas avançadas e também couch de pronúncia e desenvolvimento da fala.

“Uma das maiores dificuldades encontras nos estudantes brasileiros, e o público 50+ não é exceção, é a da compreensão ao assistir, por exemplo, um seriado de TV americano e o couch lida exatamente com esse tipo de dificuldade para aqueles que já tem um bom conhecimento do idioma”, explica Coelho.

Simone Carnio acrescenta que os alunos se sentem muito à vontade, tendo como colegas pessoas com experiências e vivência para compartilhar. “Ao entrar em sala de aula, percebe-se que se trata de uma grande família e temos alunos há seis anos conosco, que gostam do ambiente, do método, se sentem em casa e aqui somos todos jovens para sempre”, afirma a professora.